quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Professor Eduardo - O que ele tem a dizer?

O blog Panorama dá continuidade à série de sabatinas com pré-candidatos ao Executivo. As entrevistas serão publicadas na íntegra, no formato Pergunta e Resposta, sem que haja qualquer tipo de edição.

Desta vez, o entrevistado é Professor Eduardo (PT). Elogiado pela atuação na Câmara dos Vereadores, o professor é apontado por muitos como uma alternativa viável ao Executivo ibiunense. Ao Panorama, ele fala sobre corrupção, assistencialismo, problemas do município, eleições e outros assuntos.


Panorama - A sua imagem política está em alta. Seu nome surfa em uma onda de popularidade e ganha espaços nas sondagens e pesquisas não oficiais. Como você reage a isso?
Professor Eduardo - De maneira muito tranqüila, na esperança que tal tendência se consolide, pois ondas vêm e vão. O importante é manter as convicções. Pois uma coisa é ser “uma opção”, outra coisa é ser a escolha certa e decidida das pessoas.

Em 2004, a situação foi semelhante e seu nome foi dado como certo na disputa pela prefeitura. Porém, na última hora, o PT o colocou como vice de João Mello -  com quem suas ligações políticas e alinhamento ideológico sempre foram muito fortes. Que garantias você pode dar à população de que, em 2012, essa história não se repetirá?
A vida é feita de momentos. Naquele momento, o encaminhamento discernido com o grupo político foi aquele. No decorrer destes anos, a distância física (ele tem sua vida praticamente em Sorocaba) apesar de pequena, a distância política (esteve no DEM, agora no PSD), acabou nos afastando, pois alianças com o DEM não são aceitas pelo PT, com o PSD é possível. Contudo, hoje o momento é outro, acredito que acumulei aprendizado e experiência suficiente para uma trajetória própria num outro grupo político. Não acredito que esse grupo político aceitaria uma nova composição com tal pré-candidato.

Zirva, a provável vice
Nos bastidores da política, aposta-se que o senhor sairá candidato a prefeito tendo como vice o ex-secretário Adalberto Marcicano, o Adal. Outras correntes, entretanto, garantem que a dobradinha será entre você e a Dra. Zirva. Afinal, você já escolheu quem será o seu vice?
A escolha do vice será resultado de uma discussão dentro do grupo político do qual participo. Tal grupo conta, atualmente, com a participação do PV (que tem o Adal, como pré-candidato) e o PHS (cuja presidente da Comissão Provisória e pré-candidata é a Dra. Zirva). No entanto, temos conversado com outros partidos, e isso poderá alterar a composição do grupo, e consequentemente, outros nomes poderão surgir. Reafirmo, o nome será definido dentro do grupo político, analisando-se as condições pessoais e a viabilidade política. Considere-se que, diante do que ocorreu recentemente na política local, muitas pessoas já sinalizam ter um olhar diferente para o vice.

Na condição de homem público, você com certeza deve ter se deparado com o efeito das décadas de má administração do município. Quais seriam os setores mais devastados e desassistidos, em decorrência dessas práticas controversas?
A malha viária (as estradas vicinais), a atenção básica na saúde, o saneamento básico, a formação profissional dos ibiunenses, ausência de ações articuladas de desenvolvimento econômico que gera desemprego. A falta de políticas públicas (para todos) claras nestas áreas tem acumulado improvisações, maus gastos e perdas para todos nós.

A corrupção em Ibiúna - seja no âmbito do Legislativo, Executivo e Iniciativa Privada - já se tornou um folclore. O senhor já presenciou, entre seus pares, situações que o deixaram constrangido ou envergonhado?
A minha maneira de ser, resultado de convicções religiosas e de educação familiar, não me permite o envolvimento com aquilo que não me pertence. Isso me preserva de tais situações, pois, de antemão, afasta possíveis tentativas de corrupção. Assim, nunca presenciei situações, apesar de ouvir insinuações envolvendo outras pessoas, de desconfiar de algo que possa ter ouvido. Acredito que atos ilícitos são praticados de maneira velada e as pessoas sabem com quem, onde e como fazê-los. Da minha parte, procuro me afastar disso.

Assistencialismo: fonte de votos e retrocesso
O seu trabalho destaca-se em meio a uma Câmara com baixa popularidade perante a opinião pública. Mas, ainda que o senhor saia na frente com apresentações de projetos e propostas de discussões acima da média, também acaba por cair na vala do assistencialismo. Essa não seria uma postura incoerente com a imagem que as pessoas fazem a seu respeito?
Nessa parte, percebo que certos eleitores até abusam dos eleitos, achando que estes são obrigados a resolver tudo para eles, restando ao vereador a condição de “assistente social”, “despachante de luxo”, “banco” ou sei lá mais o que, até com coação, ameaças de perda de futuros votos ou “dívidas” e compromissos pessoais do vereador para com quem o elegeu. Aqui há terríveis riscos de corrupção.
A vala do assistencialismo se abre por falta de um Executivo forte que faça a sua parte, que execute políticas públicas, que cumpra com o seu papel de fato, bem como as ações inerentes a elas, em especial na Assistência Social. Como isso não acontece, os problemas acabam “sobrando” para vereadores. Desse modo, nos vemos “obrigados” a buscar uma solução,  assistencialista, passando a ser  muito mais um ato de solidariedade diante das mazelas humanas, pois não é justo deixar as pessoas esquecidas, do que um ato nocivo que afronte aos meus ideais.
Não tenho nenhum registro de quem me procura, para uso eleitoral futuro. Dentro desta perspectiva, não deixo que o assistencialismo seja um fim em si mesmo. Utilizo tais situações nas proposições ao Executivo. Os problemas são as principais matérias-primas para proposições legislativas. Pena que, na maioria das vezes, acabam sendo somente “proposições” nunca “executadas” e ao menos avaliadas por quem de direito, o Executivo.
Por fim, a minha prática assistencialista é muito pequena, até com ajuda de amigos. Isso talvez até pelo perfil do meu eleitorado. Confesso que é algo que me incomoda, não é para isso que fui eleito. Porém, enquanto não temos um Executivo que cumpra o com o seu papel, não é justo deixar as pessoas esquecidas.

E sobre as informações de que seu assessor cobraria dos munícipes a quantia de R$ 30,00 para viabilizar o transporte para consultas médicas em outros municípios? Isso procede? Qual a finalidade dessa cobrança?
Na verdade, o Abel do Cupim não é meu assessor. Era para ser, porém como ele não tem o Ensino Fundamental Completo, não foi possível indicá-lo para admissão. Quem ficou como minha assessora foi a sua esposa, a Luciane. Isso em retribuição ao papel prestado por toda a sua família na campanha passada pela minha candidatura. Tudo de forma espontânea, sem me conhecer. Ao assumir o mandato, adquiri um automóvel em 48 prestações e entreguei a ele (que me devolverá no final do mandato) para que preste assistência aos seus familiares, amigos e conhecidos, algo que ele sempre fez. É prática pessoal do mesmo há muitos anos. Pouquíssimas vezes recorri a ele para atender alguma pessoa que me procurou. Para finalizar, não tenho controle sobre nada do que ele faz, quem transporta, se cobra ou não cobra por isso, para que cobra (até acredito que seja para o combustível). Não há contrato, dele nem meu, com a prefeitura. Pouco consigo falar com ele, reitero, a minha assessora é a Luciane, e procuro não misturar as coisas, até porque o grande desejo do Abel é ser vereador. Só não foi candidato nas eleições de 2008, por problemas de dupla filiação.

Com o prefeito Coiti e o Dep. Hamilton Pereira (PT)
Fonte: ptibiuna.blogspot.com
Um dos setores mais problemáticos de Ibiúna diz respeito à Saúde Pública. Apesar dos investimentos constantes, as críticas não cessam. Em seu eventual governo, qual seria a forma mais eficaz de gerenciar essa pasta?
As administrações até agora sempre focaram o “hospital” como a referência para a saúde municipal, deixando a atenção básica para um segundo plano, criou-se uma “cultura” em torno disso. A própria população absorveu isso: “o fundamental é o Hospital”. É preciso inverter essa “cultura” e dar a atenção básica, a “atenção” como o próprio nome diz, que ela merece. Assim, as UBS – Unidades Básicas de Saúde, os chamados “postinhos”, devem se tornar verdadeiros “centros de saúde”, principalmente nos bairros mais populosos. O Programa Saúde da Família deve se tornar realidade. A Farmasus deve oferecer todos os medicamentos necessários, não tendo o cidadão/cidadã que recorrer a processos judiciais ou favores de vereadores para conseguir tais medicamentos. Para desafogar o sistema é importante promover mutirões de exames e consultas. Claro, não se pode abandonar o hospital, mas melhorando a atenção básica, a demanda sobre o mesmo vai ser tranqüila. Aqui, devo lembrar que estamos na expectativa da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) que também reduzirá nessa demanda, pois hospital é para internação, e não para clínica. Concluindo: o enfoque da saúde deve ser a atenção básica, cuidar do munícipe onde ele está.

Mesmo tendo grande apelo entre o professorado, o senhor foi contrário à aprovação do Plano de Carreira da Educação. Por que?
Na verdade fui favorável e sempre defendi a aprovação de um Plano. Antes mesmo que fosse elaborado, apresentei indicações e sugestões verbais para tanto. Por ocasião da aprovação, no final do ano passado (2010), expus sobre a importância do mesmo, o que me rendeu até algumas polêmicas, em razão do esquecimento de citar pessoas que participaram do processo de elaboração. Participei de reuniões no processo de elaboração, apresentei sugestões. Atualmente, a Administração “culpa” a execução de tal Plano como a causa dos atrasos de pagamentos de INSS, FGTS, bolsa-passagem dos universitários, condutores escolares, enfim, praticamente tudo o que está atrasado é por causa do Plano de Carreira. Poderia alguém dizer: então, vocês vereadores foram irresponsáveis. Aqui, é importante mencionar que numa das reuniões ocorridas na Prefeitura com a Comissão do Plano de Carreira, eu fui recebido efusivamente pelo Secretário Paulo Niyama, o qual me disse, com outras palavras, que tinham aceitado as reivindicações do plano. Diante disso, perguntei “mas vocês fizeram as contas, dá para pagar!”, ao que me respondeu afirmativamente. Mais adiante, quando enviaram o Projeto de Lei para a Câmara, tiveram que juntar um documento, o Impacto Orçamentário, que afirmava que o Plano poderia ser pago. A gerência de gastos é de responsabilidade do Executivo. No entanto, quando colocado em prática, o Plano onerou a Folha além do que tinha sido previsto no impacto. Hoje, praticamente os recursos do Fundeb servem apenas para a Folha do Magistério, e a educação novamente patina, entre outras coisas, por insuficiência de recursos.

Na campanha de 2008, O Coronel Darcy prometeu acabar com os "grandes shows". Em 2009, ao colocar seu plano em prática foi duramente criticado. Quando o atual prefeito Coiti Muramatsu voltou a trazer os grandes artistas, também foi alvo de críticas. Ciente desses comportamentos incoerentes de parte da população, como você pretende atuar nessa frente (entretenimento/shows)?
Com equilíbrio, dentro do que tenho debatido na Câmara e cobrado do Executivo, pois não há como deixar de oferecer shows à população, mas também não é possível realizar “semanas de shows”. Este ano já se gastou quase 1,5 milhão de reais em tais eventos, deixando-se de honrar outros compromissos. Nunca se gastou tanto com isso. A dotação de “Festividades e homenagens” no Balancete da Prefeitura tem as despesas empenhadas e pagas. Enquanto isso, os condutores do transporte escolar, os transportadores de pacientes, entre outros, ficam de lado. A dívida com o INSS se acumula. Esta semana, até escolas ficaram sem telefone. Concluindo, os gastos com grandes shows são abusivos, o dinheiro vai embora, pouco tem ficado de retorno no comércio local, pois os eventos são noturnos. Resta repensar tudo isso, investindo mais na cultura local, trazendo shows limitando o total gasto a um percentual do orçamento, quem sabe algo em torno de 0,5 %  que significaria um total de R$ 500 a 600 mil. Considere-se que tentei cortar gastos com “Festividades e homenagens” do Orçamento de 2012, mas a minha emenda foi derrubada.

28 comentários:

  1. Muito boa a reportagem postada, está de parabéns Bruno Machado! Paulo Eduardo Sallares!

    ResponderExcluir
  2. Bruno, fiquei bastante satisfeita com a matéria. O prof. Eduardo mostrou segurança e transparência nas respostas, diferentemente, do candidato anterior que não respondeu nenhuma das suas perguntas, mas sim rodeou, rodeou e, ficamos sem respostas diretas e coerentes. Muito bom os seus questionamentos e melhor ainda as respostas do professor. Parabéns para ambos e vamos torcer que, o eleitor, comece a analisar com cautelas seus candidatos.

    ResponderExcluir
  3. Sensacional essa entrevista.

    É muito bom ver que existem boas opções para votarmos.

    Para tal é só comparar a entrevista anterior com essa e ver a diferença entre os candidatos.

    Parabéns Bruno pela entrevista e Boa Sorte ao Profº Eduardo em sua campanha no ano que vem

    ResponderExcluir
  4. Meu Deus! Quanta diferença na entrevista do Eduardo com a do João Mello!kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  5. "...Considere-se que, diante do que ocorreu recentemente na política local, muitas pessoas já sinalizam ter um olhar diferente para o vice..."

    Espero que assim o faça.

    ResponderExcluir
  6. Muito boa as respostas. As entrevistas são diferentes, não podem ser comparadas. Eduardo tem que estar junto com o João Melo, não podemos deixar o Belo ganhar. Parabéns Prof. Eduardo, pode contar comigo.

    ResponderExcluir
  7. Caros jovens leitores, atentem nas proximas eleições aos candidatos a prefeito. Sou professor e trabalho em uma mesma empresa há mais de vinte anos. Admiro esta cidade.

    Noto acompanhando as declarações deste blog, a seguinte situação: existem grupos que querem o retorno do seu status quo. O estado de poder, assim como o estado de sítio não é eterno.

    Caros leitores, visualizem essa situação pois noto que dois de seus candidatos situam-se nesse patamar.

    Verifiquem a aliança formada pos esses pseudo-candidatos, o alinhavamento que eles formarem será favorável à cidade ou a eles próprios?

    Dentre todos os candidatos que tenho lido, o único que demonstra ser um homem seguro nas suas palavras e confiável nas atitudes é o Professor Eduardo. Eu não votei nele nas eleições passadas, me arrependo.

    Estudem as propostas dos futuros candidatos, honrem esta cidade e seus habitantes, dentre tantos ilustres destaco o saudoso Cel. Darcy, que assisti a convite de uma faculdade em uma palestra, em que, na oportunidade deixou seus concorrentes, abaixo de nota, entre eles o Dr. João Mello.

    Não sou candidato a nenhum cargo público. Considero terrível a situação da atual camara. Dos dez vereadores, nove estão abaixo da critica, pois não se vislumbra a participãção de nenhum desses nove em nenhuma ação realmente importante para o municipio. Vergonhoso, vejam bem, vergonhoso para esses nove que não merecem voltar a ocupar esse cargo.

    Renovação Já!

    ResponderExcluir
  8. Felizmente, compartilho com os ideais do grande professor e amigo Eduardo. Tenho o privilégio de conversas informais de salas dos professores e ler essa matéria apenas justificou a eficiente conduta como vereador, priorizando o povo não com "esmolas" e sim com projetos que, de fato, é o que fará de Ibiúna uma cidade melhor.
    Parabéns Bruno Machado pelas perguntas e meus sinceros votos de sorte, pois competência já se mostra demasiadamente para assumir o executivo de nosso município o caro colendo Professor Eduardo.
    Vamos as urnas dar um basta na politica arcaica que assola nosso município, vamos dar um basta na falta de competência com a gestão do dinheiro publico e mais ainda, vamos votar com consciência para os vereadores para que se façam realidade as promessas do tão empenhado candidato que aqui se apresenta, com transparência, vida limpa e que respeito todo e qualquer ser humano que lhe venha de encontro.
    Que aceita as opiniões, que ouve a todos e sempre se manifesta em favor dos que menos podem, sendo, por alguns, repudiado pela sua honestidade.
    Força Professor e vamos avante rumo a uma Ibiúna melhor para todos e não apenas para alguns.

    ResponderExcluir
  9. Eduardo pessoa maravilhosa!!! é de políticos como vc que todos nós precisamos!
    Em 2012 eu voto na Educação!!

    ResponderExcluir
  10. Muito boa a entrevista brunão, e por enquanto meu voto vai para o professor eduardo ano que vem, vamos ver se até lá mantenho minha posição.

    ResponderExcluir
  11. E meu amigo BRUNO ELE DEIXOU A DESEJAR NA ENTREVISTA, NÃO ACHO QUE FOI VERDADEIRO,VAMOS ESPERAR AS PRÓXIMAS ENTREVISTAS,PRA VER O CALDO.

    ResponderExcluir
  12. BRUNO, parabéns perguntas bem elaboradas respostas bem satisfatórias,vamos esperar os próximos entrevistados,para no final chegarmos a alguma decisão,e isso ai colega ao invés,de criticarmos vamos tentar entendermos(os aspirantes a PREFEITO)

    ResponderExcluir
  13. Muito boa entrevista, esclarecedora nos aspectos abordados, nós eleitores ibiunenses precisamos ser responsáveis no nosso voto, fazer comparações de propostas e não só isso, precisamos comparar a caminhada de vida do candidato, o modo dele agir quando não estamos em época de eleição, a forma que dirigi sua vida , e também muito importante " quem está financiando sua campanha" porque com certeza esse financiador com alguns candidatos que temos vai querer recuperar esse dinheiro e em 99% dos casos de forma corrupta. Não sejamos ingênuos com propostas fáceis que sabemos jamais serão cumpridas e também com não troquemos nossos votos por: promessa de emprego pra vc. e seus familiares, vantagens se vc. for comerciante, jogos de camisa de futebol, assistencialismo na época da campanha (os candidatos resolvem todos os problemas , tais como aposentadoria , atendimento médico, remédios, advogados a disposição) e tudo de graça.Isso tudo meu povo é direito do cidadão, vá atrás dos seus direitos e NAO FIQUE DEVENDO FAVOR A POLITICOS INTERESSEIROS. NÃO VENDA O SEU VOTO , NEM SUA DIGNIDADE , NÃO SEJA UM ELEITOR INGÊNUO, PORQUE É ISSO QUE OS MAUS POLITICOS MAIS PROCURAM. PENSEMOS.

    ResponderExcluir
  14. Concordo com o leitor acima, no ponto em que temos que tentar compreender melhor os pre-candidatos analisando suas respostas e principalmente suas alianças, pois este ultimo fator tem sido o ponto de desequilibrio na historia recente do municipio.

    Comparando a entrevista do Prof.Eduardo com o primeito (João Mello), podemos notar a diferença no conteudo das respostas, mais precisas, coerentes. Que os estudantes conheçam o carater dessa pessoa, realmente um verdadeiro filho desta terra.

    ResponderExcluir
  15. pode ser bonzinho,mas meu voto ele não tem!
    precisamos de alguem com um espírito empreendedor mais aldacioso, que levante o nome da nossa cidade, que proporcione a todos saúde,educação,segurança,capacitação para os jovens ibiunenses e principalmente estrada para que possamos transitar pelo nosso querido município.
    precisamos de alguem com nome e sobrenome,que tenha apoio político, mas não apoio pequeno, que tenha acesso ao governador,ministros e líderes a nível estadual, para que possa conseguir verba para as mais variadas areas.
    espero pelas outras entrevistas.
    um abraço a todos
    Rafael Ribeiro

    ResponderExcluir
  16. Só pode ser piada o cara dizer que o professor tem que se juntar a João Mello.E a população pode esperar que os comparsa do doutor João vão fazer pressão pela aliança com o Professor.Ele tem que resistir até o fim pelo bem de nossa cidade.Ibiúna não merece mais atraso.Eduardo te faço um apelo. SAIA CANDIDATO A PREFEITO E MOSTRE QUE O POVO JÁ TÁ FARTO DA PALHAÇADA QUE SEMPRE TEVE EM IBIÚNA.ESQUEÇA JOÃO MELLO EDUARDO!SAIA CANDIDATO SOZINHO E O POVO NÃO VAI TE DECEPCIONAR.

    ResponderExcluir
  17. Ao amigo que falou ai acima que não vota em bonzinho, que quer políticos audaciosos e com apoio político. Olha meu amigo acho que vc. está enganado desse tipo de politicos o Brasil inteiro tá cheio e a maioria não presta.Precisamos de politicos honestos, e principalmente CORAJOSOS, para enfrentar os poderosos que sempre querem usurpar o poder. Pelo que conheço do Prof. Eduardo, ele tem essas qualidades.

    ResponderExcluir
  18. Vergonhoso, como pode o veredor confessar que pagou pelo apoio recebido do Abel, que apoia o Fábio, e que cobra dos pacientes as viajens, e diz que não concorda com isso, mas permite que isso ocorra em seu gabinete.
    Fácil falar. Foi a mesma coisa com o coronel e Coiti.

    ResponderExcluir
  19. Ao conhecerem o Eduardo e conversarem com ele sobre seus projetos e ideias políticos, os críticos conheceram, de fato, quem é o vereador Eduardo. Um homem simples, humilde com ideais fortes, extremamente inteligente e com muita coragem para enfrentar os desafios de um munícipio em crise. Como vereador, seu trabalho pode ser (para alguns) que não teve tanto destaque, até por conta dele pecar e não se preocupar com questões de promoção pessoal (marketing mesmo), mas foi autor de vários projetos de interesse do município, sempre votou e falou com prudência e nunca se preocupou em se posicionar por conta de troca de favores ou para prejudicar o atual prefeito – Eduardo sempre pautou pelo bem do município e, até por conta disso, foi muito criticado pelos demais parlamentares. A coerência, como pode ser observada acima, demonstra a diferença do vereador.

    ResponderExcluir
  20. O Eduardo é um homem bom e sério, mas não basta ter idéias. Administrar não é tão fácil assim, a exemplo o Cel. Darcy. Parabéns Bruno pela entrevista e parabéns Eduardo pelas respostas.

    ResponderExcluir
  21. QUANTA BOBAGEM A GENTE TEM QUE LER NOS COMENTÁRIOS!A MESMA CORJA QUE TENTOU ATRAPALHAR A TODO CUSTO A ADMINISTRAÇÃO DO CEL. DARCY AGORA VEM E FICA FALANDO UM MONTE DE ABOBRINHA DO EDUARDO.NÃO ACREDITEM NESSES GATUNOS MINHA GENTE.O QUE ELES QUEREM É DESACREDITAR O POVO DE QUE A MUDANÇA É BOA.POIS ELES TEM MEDO DA MUDANÇA, MUDANÇA QUE INCLUSIVE DEIXOU ELES 4 ANOS FORA DO PODER.VOCÊS MATARAM O CORONEL, MAS NÃO VÃO MATAR O PROFESSOR.

    ResponderExcluir
  22. Aposto que serão mais 4 anos de DERROTA em Ibiúna caso ele ganhe é muito Fraquinho Gente num guenta burrinhu de tudooo tipinhuuu

    ResponderExcluir
  23. Pergunto: O que o vereador Eduardo fez na Camara, ou pela nossa cidade, NADA, só diz amem ao atual prefeito Coiti. O que ele faz? NADA, só fala mal dos politicos honestos, só autoriza cantores, e nada mais, falar que ele é honesto estando no poder.Chega de mentiras acordem Ibiunenses.

    ResponderExcluir
  24. Fala mal de políticos honestos? Que viagem! Um dos que ele mais critica é o Fábio Bello. Muy honesto uh uh uh.

    ResponderExcluir
  25. Não importa o que falem, esse é o homem que vai mudar Ibiúna. Força Professor! Estamos todos com vc!

    ResponderExcluir
  26. Completando, o Prof Eduardo só tem que tomar cuidado com a corja de canalhas que formam o grupo político dele.Pulso firme!

    ResponderExcluir
  27. Em comentário ao anônimo do dia 05 de dezembro... gostaria de mais uma vez vir à público dar meu relato testemunhal de que, o Professor Eduardo, há mais de 1 ano, me procurou quando soube que havia interesse em "denominar uma rua na área rural de Ibiúna" e desde então esteve envolvido 100% desde o protocolo junto à Prefeitura até a total oficialização do mesmo para que Ibiúna tivesse o respeito e atenção, inclusive para quem luta para o FOMNTO DO TURISMO RURAL, que não tenho dúvidas de ser o maior e melhor caminho para uma Ibiúna Melhor! MUITO OBRIGADA PROF. EDUARDO, por tudo! Obrigada pelos dias que saiu de sua casa em finais de semana para me acompanhar nas comunidades, debaixo de chuva, lama e frio, Muito obrigada por tantas coisas e detalhes que nem cabem aqui nesse espaço. desejo que deus lhe seja JUSTO e apesar de toda sua bondade VERDADEIRA, desejo SORTE no caminho da POLITICA que tem muitas armadilhas já constituídas para impedir que muitos desejos políticos para honrar seus eleitores podem "entravar" e acabar levando a culpa do que não fez! Fique atento! Politica é coisa séria e mexe com as pessoas. Rogo à DEUS que consiga se manter ÍNTEGRO SEMPRE e que nada lhe tire do rumo que consiste em sua POSTURA. Portanto... para que nada fique só no papo, aviso ao "anõnimo" que não diga nada que não tenha conhecimento para não mentir! DETALHE: Prof.Eduardo, Secr. Mauro Issler,e muitos outros, TRABALHARAM DE GRAÇA para REALIZAÇÃO de TODAS AS AÇÕES que envolveram: Poder público, Igreja Católica, CLAP, Sociedade Civil e Iniciativa privada! Espero sinceramente que outras ações EM CONJUNTO sejam REALIZADAS em Ibiúna para dar exemplo de que NINGUÉM FAZ NADA SOZINHO!
    https://www.facebook.com/media/set/?set=a.2283150673152.2116159.1080414686&type=1&l=310117d131

    ResponderExcluir
  28. E 2012 vai ser um ano de muitas decisões,o que fazer?penso que novamente os jovens e que irão decidir.vamos ter que mostrar a eles quanto poder eles tem em mãos, que futuro de Ibiúna esta nas mãos deles,temos que ensinarmos a eles que não e ficando de braços cruzados que poderemos,ter um futuro tranquilo,criticar apenas não resolve..........

    ResponderExcluir

Seu comentário foi enviado e, em breve, será publicado.