quinta-feira, 10 de março de 2011

"Assistencialismo é falta de capacidade de planejar e executar ações em benefício do próximo"

Adriana Boreika: Assistência x Assistencialismo


Adriana Boreika foi uma das "verdetes" que, em 2008, ajudaram a eleger a dupla Coronel Darcy/Coti Muramatsu. Hoje no posto de Gestora de Assistência Social, Boreika tem o desafio de conduzir um setor estratégico da administração pública, em um município conhecido pelas nefastas práticas assistencialistas. Afinal, qual a função do Social em cidades onde vereadores levam pacientes a consultas médicas, doam remédios, cestas básicas, materiais para construção e chegam ao cúmulo de viabilizar aposentadorias? Em entrevista ao Panorama, Adriana Boreika fala sobre o trabalho atualmente desenvolvido nessa área e ataca os assistencialistas: "A carência do povo não está, apenas, na fome".
Confira:

Panorama - O assistencialismo, hoje, tornou-se um “vício político” que ajuda a eleger homens públicos descompromissados com o desenvolvimento efetivo do município. Qual sua opinião sobre vereadores que usam o assistencialismo unicamente para concretizar um plano de poder, em detrimento de um plano de governo?
Adriana Boreika - Isso realmente acontece em alguns casos, e é lamentável. Mas sou otimista e acredito que isso está mudando. O povo quer mais do que uma simples cesta básica, a maioria tem sonhos: quer voltar a estudar, sentir-se valorizada etc. E esse “assistencialismo” eu não chamo, sequer, de plano de governo. Considero uma falta de capacidade de planejar e executar ações em benefício do próximo. Caridade é algo que todos precisamos fazer, mas eu digo caridade no sentido de ser solidário, dar sem esperar algo em troca, sem ter que publicar e mostrar, fazer isso sempre, independentemente de interesses políticos ou eleitoreiros. Quem quer ajudar o próximo não precisa se candidatar, basta trabalhar voluntariamente em algum albergue ou algo parecido. Para se candidatar, é preciso ter projetos. Dessa forma, eu diria aos pré-candidatos: Se você não tem um bom projeto ou um plano de governo bom, não se candidate. A carência do povo não está, apenas, na fome.


O que a prefeitura tem feito, por meio do Social, para coibir esses abusos por parte de alguns vereadores?

Solicitamos que os vereadores e assessores acompanhem ou encaminhem os munícipes para o fundo social, onde passarão pela triagem, a fim de verificar e diagnosticar se a pessoa realmente está em situação de risco ou em alta vulnerabilidade social. Mediante essa triagem são efetuadas as doações, de acordo com as condições.


Vereadores da base aliada têm regalias no Social?

Eu diria que vereadores não se enquadram no perfil social. Claro que atendemos à demanda, inclusive os casos encaminhados por todos os vereadores e assessores, pois não cabe a eles efetuar doações - para isso, já existe o fundo social. Nesse caso, ressalto que os vereadores têm feito tudo direitinho: encaminham os munícipes para o Fundo Social de Solidariedade, onde eles são atendidos de forma digna independentemente de Partido, religião ou etnia. Não importa se o encaminhamento é feito por um ou outro Vereador, tratamos todos com igualdade.


Você concorda ou discorda com a máxima que diz: “Sem assistencialismo, prefeito nenhum governa e vereador nenhum se elege em Ibiúna”?

Concordo, no sentido de considerar muitas condutas que observamos nas eleições, tratando-se do Brasil (não vou me restringir, apenas, a Ibiúna). Sabemos que isso realmente ocorre em alguns casos. Mas, se você perguntasse se eu acredito que isso dá certo, diria, sem medo de errar, que não. A prova disso foi a vitória do Coronel Darcy, em 2008, sem prometer ou efetuar assistencialismo algum. E digo mais: votos não se compram ou se vendem, votos são conquistados, com humildade. É naquele povo humilde que estão os votos, pois eles esperam de um político uma única coisa: Que façam valer seus direitos como cidadãos. Já em relação aos mais favorecidos economicamente, essa opinião é mais rara. Não quero generalizar, mas, na maioria das vezes, a primeira preocupação dessas pessoas não se refere aos direitos em si, mas, sim, aos cargos que irão ocupar.


O que é necessário para Ibiúna desenvolver uma política social forte?

Como diria o Coronel Darcy, é muito simples: para todos os projetos a serem executados, principalmente na área social, a essência e a fórmula são muito simples - “ Pelo povo, Para o povo e com o povo”. Seguindo esse padrão, não tem como dar errado

Qual a principal carência da população ibiunense, hoje?

Condições habitacionais , qualificação profissional baixa ou nula, conhecimento e acesso ao trabalho.As pessoas precisam ser desenvolvidas como seres humanos, para obter valores agregados. Eles precisam de alguém que resgate sua autoestima e digam: “Vamos lá, você consegue, você é capaz de trabalhar de gerar sua própria renda, só depende de você”. Isso não é assistencialismo chama-se valor humano agregado.

Você, afinal, pretende sair candidata a vereadora? Por qual partido?


É algo que tenho estudado. Se for para fazer uma política limpa e ajudar os menos favorecidos, por que não? Quando digo ajudar, falo em dar dignidade para essas pessoas, valorizando-as, capacitando- as mostrando que elas têm direitos. E não comprando votos através de cestas básicas e outros benefícios. Ainda não sei se realmente irei me candidatar de fato, se tiver alguém com idéias semelhantes às minhas, com projetos legais posso vir a apoiar essa pessoa. Quanto ao partido, atualmente sou filiada ao PV, mas, estou descontente com esse partido. Partido político, na minha concepção, não deixa de ser uma organização, uma junção de pessoas com um único objetivo e isso, infelizmente, não ocorre com todos os filiados do PV. Algumas pessoas são individualistas, não aceitam opiniões de outras e isso é complicado. Para tanto, saliento que preciso reavaliar se ainda quero continuar no PV, se existe a hipótese de reestruturar o partido com pessoas que abracem causas sociais, princípios, projetos ou se devo me filiar em alguma outra sigla, na qual todos possam ter a liberdade de expressão e participação em convenções. Quero participar de reuniões nas quais não haja pessoas querendo atacar outras.

Qual será sua plataforma de campanha?

Embora eu não tenha afirmado nada, até mesmo porque é muito cedo ainda, mas a plataforma política seria em defesa das questões sociais: Direitos da pessoa portadora de necessidades especiais, direitos da mulher, direitos da criança e do adolescente, direitos do idoso e em prol à proteção social básica - que são os projetos de geração de renda e qualificação profissional e valor humano agregado. Como podemos desenvolver o município socialmente sem desenvolver pessoas? Isso nunca ira acontecer, por isso temos que focar no ser humano. Desenvolver o que cada um tem de melhor.

10 comentários:

  1. Não adianta nada criticar vereador se a prefeitura não consegue atender todo mundo! Quando a prefeitura falha é o vereador que dá a cara pra os outro bater e leva uma ajuda pro povo. Criticar é facil!!!!! É uma sonsa mesmo essa menina.

    ResponderExcluir
  2. Aqui no meu bairro se não é o vereador o povo morre de fome. Não tem comida, não tem emprego, não tem remédio e até pouco tempo nem tinha hospital. Como querem falar agora? Até na mão da Deisy esse social tava melhor. Essa Adriana aí tem muito feijão pra comer.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelas respostas Adriana. A valorização do ser humano nunca esteve tão em alta como neste governo, porém há pessoas que sempre se beneficiaram com as "regalias" do poder público, governando a cidade como se fosse a "churrasqueira da própria casa", convidando amigos e não pessoas aptas a fazer o bem. Siga em frete com esses sonho de uma Ibiúna melhor que você continuara somando simpatizantes de sua causa e, principalmente, da causa de quem mais necessita, que é o povo carente de Ibiúna que são ludibriados com esmolas de mesquinhos que imperam em mandatos como padres na época da inquisição. Venha para o PSOL, aqui não só você, mas todos terão voz.

    ResponderExcluir
  4. estudei com ela na facul ela era mala sem alça, do tipo que não deixava ngm falar, falava mais que o professor eu imagino a Boreikona na câmara vai querer brigar com todo mundo ela é treze uma coisa eu falo, eu ja vi ela quase bater numa pessoa, era inteligente mas totalmente desiquilibrada e sindicalista alucinada teria que se filiar no PT é a CARA DELA kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk noS santinhos dela cairia bem ela com uma luvas de boxe hauauhauhuahuahuah

    ResponderExcluir
  5. Meu amigo, qual o sentido de misturar coisas pessoais (comportamento da pessoa em determinada fase da vida) com a conduta profissional e política da Adriana?

    Particularmente, eu prefiro alguém que "veste luvas de boxe" e "vai querer brigar com todos", aos samaritanos eleitos graças a ações de aposentadoria, fraldas geriátricas, remédios, blocos e cestas básicas. A política do confronto é sempre preferível à política da hipocrisia e do achaque.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  6. mas será que ela vai querer brigar pelo povo também do mesmo jeito que ela defende seu ponto de vista? temos que avaliar isso...

    ResponderExcluir
  7. Me desculpe mas ao ler a matéria, vi que existe muita gente BURRA neste nosso País, quanta ignorância!!! Por isso que nosso País está do jeito que está. Sabe Adriana e Bruno ainda a maioria quer apenas matar a fome, desde a época de Jesus Cristo, querem apenas comer sem trabalhar.
    Leia sobre o milagre da multiplicação dos pães e dos peixes. O povo não tem consciência dos seus direitos e da sua força, por isso trocam seu voto por um quilo de feijão. Até quando que vamos viver essas mazelas??? Affff

    ResponderExcluir
  8. Parabéns Adriana, poucas pessoas ocupando cargo comisssionado teriam coragem de falar tão abertamente como você, isso mostra que o aprendizado ao lado do nosso saudoso prefeito foi excelente. se todas as pessoas que estiveram conosco tivessem a sua capacidade de raciocinio ibiuna com certeza seria bem melhor, começando la de cima. tomara que não levem para o lado pessoal pois aqui quando se fala a verdade corre-se o risco de ser punido ou até considerado inimigo dos dois poderes do municipio.

    ResponderExcluir
  9. é realmente é facil falar e achar que tudo se muda de uma hora para a outra, com todo respeito as opiniões pois vivemos numa democracia e todos tem liberdade de expressão, temos que entender que pra mudarmos a situação de assistencialismo precisamos renovar todo segmento socio politico assim como li em comentarios acima duvido que essa seja a vontade dos vereadores e do proprio executivo. tem que se entender que as dificuldades aparecem pra testar a capacidade de cada um em lidar com elas, se tudo fosse facil nao haveria a necessidade dos poderes executivo e legislativo.
    volto a dizer acredito que todo ser humano sonha com um mundo melhor, nao só com uma cidade melhor (Ibiúna).
    existem erros em todos os setores e segmentos e tambem em nossos agentes politicos. para isso devemos cada um lutar pra que no futuro nosso municipio alcance alguma mudança em prol do nosso municipe.
    hoje isso ta dificil

    ResponderExcluir

Seu comentário foi enviado e, em breve, será publicado.