quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

"O hospital antigo era um protótipo mal feito, para enganar a população"


Paulo Niyama, com o prefeito Coiti Muramatsu: vitória.
O ano é 2009. Em suas casas, milhares de ibiunenses assistem à desmoralização da Saúde Pública do município no programa CQC. Diante de um repórter que, literalmente, encarna a Morte, o então responsável pela pasta – por mais que tente – não consegue elaborar respostas convincentes. O caos na saúde, em Ibiúna, atinge o ponto máximo. O golpe de misericórdia é o fechamento do hospital. Enquanto isso, em seu covil, a oposição vibra em delírio orgástico. Quanto pior para a população, melhor para algumas pessoas. As reclamações não cessam. Não há médicos e nem remédios, doentes são removidos a outros municípios, as estruturas são precárias, funcionários que lucravam com antigos esquemas fraudulentos fazem de tudo para piorar a situação. Para alguns, o cenário perfeito. Para a população e para um governo acuado, o maior dos pesadelos.

A situação descrita acima, entretanto, ficou para trás. A oposição terá de sacar outro argumento político desde que, no último dia 17 de fevereiro, o governo Coiti Muramatsu foi autorizado a reabrir não apenas o Hospital Municipal de Ibiúna, mas a Maternidade, a internação adulto e infantil e o Centro Cirúrgico. A vitória se dá após uma batalha de proporções quase épicas, a qual incluiu uma completa reforma no local e muito, mas muito trabalho.

O homem por trás dessa conquista é Paulo Niyama, o “Paulinho”, responsável pela Secretaria da Saúde após meses da mais profunda e inexplicável inércia durante o período em que a pasta esteve nas mãos de Sérgio de Matos, o “Serginho”. Diferentemente do antecessor, Paulinho demonstrou ter ciência da gravidade real da situação. E, com carta-branca do chefe do Executivo, arregaçou as mangas e iniciou um movimento intenso e que envolveu, praticamente, todos os setores da prefeitura. O objetivo era um só: devolver o Hospital Municipal à população ibiunense.


Em entrevista exclusiva ao Panorama, Paulinho fala sobre os esforços empreendidos nesse período, as melhorias realizadas e a descentralização do atendimento. O secretário menciona, também, de que forma a gestão Fábio Bello (PMDB) vendeu, durante oito anos, a impressão supostamente falsa de que o sistema de Saúde ibiunense funcionava de maneira correta. “O que havia era um protótipo mal feito, para enganar a população. Hoje, temos um hospital completo e de verdade”, aponta. De fato, quem já foi atendido por bolivianos que mal sabiam falar o português, entre 2000 e 2008, sabe bem o que Paulinho quer dizer...

Confira a entrevista:


Blog Panorama - Quais as expectativas da administração a partir de agora, com a reabertura do hospital?
Paulo Niyama - Sentimento de dever cumprido. Tínhamos uma pesquisa que apontava que a questão saúde /hospital / posto de saúde era a principal reclamação dos entrevistados (42%). Acreditamos que, agora, esse percentual caia a perto de 0%, pois não foi só a reabertura, foi uma reestruturação total em toda saúde, melhoramos muito em quase tudo.


Qual total de investimentos necessários para que essa reabertura fosse possível?
O governo Coiti Muramatsu investiu R$ 750 mil, no total. Com esse valor, adquirimos equipamentos novos, uniformes, câmeras de monitoramento, reformamos diversos setores e construímos uma cozinha totalmente em inox, entre outras coisas.

Há alguma “lição” aprendida e assimilada pelo governo, após tudo o que houve na área da Saúde desde 2009?
Na realidade nunca existiu um hospital em Ibiúna, a própria DRS (Diretoria Regional de Saúde – Sorocaba) dizia isso. O que havia, isso sim, era um protótipo mal feito, para enganar a população. Hoje, temos um hospital completo e de verdade.

Qual a situação do plano de descentralização da saúde em Ibiúna, com a ampliação do atendimento nos bairros?
É o caminho correto. Foi uma atitude de coragem, mas o resultado já aparece. Tínhamos uma média de 25 atendimentos por dia nos postos e hoje esse número subiu para 300 atendimentos diários. É importante salientar que temos médicos diariamente em todos os postos rurais (Rede Básica de Saúde). Estamos com expectativa de queda nos atendimentos do hospital, que é algo que refletiria o resultado desses investimentos nos postinhos. Porém, sabemos que com a melhora e abertura do hospital, naturalmente, o atendimento naquele local irá aumentar.

As melhorias
Saiba quais foram os principais investimentos necessários à reabertura do Hospital.

Câmeras de monitoramento
Computadores novos
Suprimento de 100% das necessidades de medicamentos
Uniformes para funcionários
Vestimentas para pacientes
Roupa de cama
Enxovais para bebês
Equipamentos hospitalares totalmente novos
Reforma da internação infantil
Construção da nova cozinha, em Inox
Reforma dos vestiários e lavanderia
Construção de nova recepção
Pintura externa e interna
Revisão total da parte elétrica
Reforma do telhado em 100%

9 comentários:

  1. Parabéns ao Paulinho por ter acabado com o açougue e ter criado um hospital naquele prédio.

    ResponderExcluir
  2. O prédio está muito bonito,houve melhoras no atendimento, principalmente na entrada que era uma lástima, pessoas mal-humoradas. Estive por dois dias e acabei tendo um entrave com um médico que havia pedido para eu ir mais cedo. Esse setor ainda tem muito para melhorar, mesmo sabendo que o problema não deve ser quedado nas costas do secretário. Temos de ter pessoas mais humanas num lugar em que chegamos carentes e necessitados de carinho entre paciência-médico. Parabéns Senhor Secretário, quem me dera ter em outras secretarias pessoas competentes assim.

    ResponderExcluir
  3. parabéns Bruno, esse deve ser o papel da mídia jornalística em Ibiúna.

    ResponderExcluir
  4. Andreia Taddei das Neves23 de fevereiro de 2011 12:04

    Muito boa matéria. Imparcial. Ficou ótima, assim como o novo hospital

    ResponderExcluir
  5. Parabéns à todos: ao Paulinho pelo trabalho competente, ao prefeito pela gestão da equipe, ao povo que finalmente tem um hospital digno e ao Brunão que escreve muito bem e mais uma vez mostra por que é considerado o melhor jornalista de Ibiúna, Piedade, etc.

    ResponderExcluir
  6. De fato, ninguém fez mais do que a obrigação. Mas temos que admitir que o trabalho do prefeito e do secretário foi sensacional.Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. em que dicionário está escrito que uma mão de tinta significa REFORMA ?????

    ResponderExcluir
  8. Enquanto a oposição de Ibiúna for BURRA a ponto de fazer como o camarada do comentário de cima, qualquer forasteiro vai pintar e bordar.Precisa afiar melhor o discurso e as ações. ACORDA OPOSIÇÃO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  9. Parabéns ao Paulinho por ajudar essa pessoas que preciza de uma vida melhor continui assim vc é 10 abraço fica com Deus..... Deoclecio.....

    ResponderExcluir

Seu comentário foi enviado e, em breve, será publicado.